Analytics:

terça-feira, maio 26, 2009

Bananada 2009: Não Se Pode Ganhar Todas!

Neste final de semana centenas de pessoas ocuparam as dependências do Centro Cultural Martim Cererê para uma penosa maratona de shows que, começando ao anoitecer de sexta feira, se prolongou até o início da madrugada de segunda, alternando, de meia em meia hora, alguns dos grupos mais entediantes da música independente nacional, iluminados de longe por algumas poucas boas surpresas e uns poucos santos-de-casa.


Teatro Pyguá: vista interna
Foto: Alessandro Ferro

A escalação do Bananada 2009 foi, de longe, a mais anêmica de suas últimas edições, mas se a promessa de novidade vale o risco de tantos shows medíocres, o “equívoco” não pode ser apontado: é resultado de uma aposta que, assim como foi desastrosa, poderia ter revelado boas novas, como aconteceu em tantas edições passadas. Infelizmente não foi o caso desta.

Mas se nem o experimentalismo krautwave da única atração internacional do festival, O ex-Can Damo Suzuki, serviu de alento numa noite que perdeu tempo com a algazarra maçante e pretensiosa do Technicolor, aplaudiu o minimalismo estéril e ingênuo do Multiplex e reservou seu horário nobre para um Black Drawing Chalks pouco inspirado, o MqN salvou o line-up da chatice soberana com aquele mesmo show alcoolizado, arrogante e provocativo de sempre. Rotina de guitarras que, em meio à profusão acelerada de rock inofensivo, soou como tábua de salvação da programação de sábado.


MqN em momento ternura
Foto: Alessandro Ferro


No começo da noite de sexta feira o Shakemakers empilhou, mais uma vez, TODOS os clichês do classic-rock, embutindo neles um orgulhoso sotaque “caipira”. Porém, a despeito desta parecer uma combinação duvidosa, no palco a coisa funcionou a ponto de convencer a pequena multidão a entoar em coro o refrão cafajeste de “Rock n’ Roll é Bom Pra Mim”, pouco antes de Beto Cupertino desvendar toda a sonolência, romântica e melódica, de seu projeto entre-safra, batizado de Perito Moreno.

Ainda na sexta, o que quase me animou os sentidos foi a dobradinha involuntária de Filomedusa e Rubinho Jacobina. Apesar do aparente nervosismo da vocalista Carol Freitas, a banda acreana Filomedusa fez a melhor apresentação da noite, toda baseada no feeling suado do guitarrista Saulinho que, embaralhando referências nacionais e importadas, brilhou num mar de monotonia. Na sequência, a despretensão pop do carioca Rubinho Jacobina coloriu a arena de verde-amarelo e transformou o teatro Yguá em baile de carnaval, dispensando por instantes a superabundância de distorção café-com-leite.


Filomedusa
Foto: Alessandro Ferro


Os domingos carregam, tradicionalmente, uma espécie de depressão pós-coito, que embaça as cores do dia com os matizes acinzentados da segunda-feira que acena, logo ali. Nesse cenário desolador para a maioria que levanta cedo e move a engrenagem do mundo, menos gente se dispôs a sair de casa e enfrentar o desfecho de uma festa que não empolgou. O Mugo foi o destaque óbvio: talvez seja a banda mais jovem que já enfrentou a posição de headliner do festival (com exceção da formação mutante conhecida Banda da Eline, que é tão jovem quanto permite suas recentes aparições esporádicas), enfrenta um ótimo momento em sua curta carreira de shows sempre lotados e está prestes a estrear em disco e vídeo-clipe.


Mugo
Foto: Marina Marques


O Bananada se pretende a vitrine do rock goiano que quer atravessar as fronteiras do Estado, e se essa travessia tem acontecido com a freqüência que a cena da cidade merece é por que Goiânia se transformou no núcleo charmoso do novo rock brasileiro, e a idéia do festival é que as atrações convidadas coadjuvem alegremente com a produção local. Mas em 2009 alguma coisa saiu errada, e os artistas que vieram nos visitar não conseguiram deixar nenhuma marca significativa por aqui, como, pra citar apenas alguns exemplos, o Curumin e o Cérebro Eletrônico na edição do ano passado, ou o Monno e o Galinha preta em 2007. Mas apesar da programação raquítica de 2009 o Bananada ainda goza de um crédito confortável, alcançado depois de antecipar, em edições passadas, alguns dos melhores shows do pop brasileiro recente. Afinal, não se pode ganhar todas.

6 comentários:

Cindy Bell disse...

oO

ameuikana disse...

tem um amigo meu aqui que tá falando que você vai perder seu emprego na monstro

André Silva disse...

Bananada foi uma merda mesmo, so fui na sexta e me arrependi!
affffe

Anônimo disse...

Botei fé, ate em fim algem falou alguma coisa desse bananda. putz, foi ruim demais!!

Bok@o disse...

Grande Igão. A única coisa legal do Bananada deste ano foi aquela confraria atrás do bar. Sobre você dizer "...em 2009 alguma coisa saiu errada", eu penso o seguinte: acho que o formato do Bananada não cabe mais. Como não sou do meio (produção) não teria aqui uma sugestão, mas esta foi a principal impressão que tive, juntamente com outros compadres macacos velhos frequentadores.

Abraços e ótimo trabalho.

Bokão

5PRAStANtAS disse...

Pena saber disso... mas achei certo vc ainda dar crédito pro festival, afinal são poucos ainda no Brasil desse nível. Aqui em São Paulo ainda não emplacou nenhum, por exemplo...