Analytics:

segunda-feira, outubro 20, 2008

Touch me I'm Sick

# Segunda Feira - Dia finalmente nublado, depois de um final de semana crepitante.


Mudhoney
Foto: Yasmin Prado

# No sábado, lá no Martim Cererê, a Monstro Discos comemorou seu aniversário de 10 anos de vida com shows de todas as bandas de seu casting local, dividindo atenções com a lenda underground de Seattle Mudhoney, que fez um show bem melhor que o que o que eu vi em Brasília, ano passado. Os maiores problemas do Mudhoney nessa apresentação, lá no Distrito Federal, foram o tamanho do lugar (a gigantesca arena do festival Porão do Rock), e sua posição no line-up, fechando a noite, pouco depois de o Sepultura fazer um show destruidor.


O Mudhoney, que já conta uns 20 anos na estrada, funciona bem melhor em inferninhos como os teatros do Martim Cererê, tanto pelo intimismo esporrento de seu repertório, quanto pelo fato de sua popularidade ser mais seletiva que massiva. Nunca fui fã ardoroso do quarteto, mas depois de meia de um barulho tão genuíno, impossível não se deixar impressionar com o vigor e pressão que Arm, Turner, Maddison e Peters ainda imprimem em cada canção.


O outro grande show da noite foi da Black Drawing Chalks, que apresentou algumas músicas novas (fortes, cadentes e pesadas) em meio às canções de seu primeiro disco, Big Deal. Aliás, a BDC já garante lugar entre os melhores shows da cidade, desenvolvendo um mix poderoso de Black Sabbath, Corrosion of Conformity e Soundgarden ( e que ainda flerta com o hard rock), mas faz questão de uma caprichosa assinatura própria.


Mark Arm ainda voltou ao palco para acompanhar Fabrício Nobre nos vocais, durante a apresentação do MqN, e os Rollin Chamas transformaram o palco, mais uma vez, num salão de festas lotado, onde todo mundo se sentia à vontade para fazer o que bem entendesse. A essa hora o grosso do público já tinha procurado o caminho de casa, mas mesmo diante de poucas dezenas de humanos, a farra durou além do que gostariam os seguranças, e técnicos de som, ansiosos pelo retorno ao lar.

Eu mesmo deixei o teatro algumas vezes, acompanhando a procissão que aproveitava a promoção da cerveja, que teve sua menor cotação perto do fim da festa, valendo apenas um real por latinha depois do decreto bêbado de Márcio Júnior, que já havia se apresentado com o Mechanics, mas ainda habitava o palco dos Rollin Chamas.




# A reunião do pop latino – Acontece nos dias 27, 28, 29 3 30 de novembro (na semana seguinte ao Goiânia Noise), o festival El Mapa De Todos, que vai promover uma reunião inédita da música jovem feita na América do sul, e terá Brasília como cenário. Promovido pelo jornalista Fernando Rosa (capo do selo/site Senhor F) em parceria com a etiqueta portenha Scatter Records, o festival vai trazer ao Brasil nomes luminares do rock/pop andino como Turbopótamos (Peru), Los Mentas (Venezuela), La Quimera Del Tango e Babasónicos (Argentina), Javiera Mena (Chile), Danteinferno (Uruguai), Supertílio (Colômbia), além de dois representantes europeus, Azevedo Silva (Portugal) e Sr. Chimarro (Espanha). Entre os artistas brasileiros, já estão confirmados Marcelo Camelo (RJ), Macaco Bong (MT), Beto Só (DF) e Mundo Livre S/A (PE).


"O objetivo do evento é materializar a idéia crescente na sociedade, vista em várias outras áreas, de um processo de integração inédito na América do Sul. Pela primeira vez, os países da região começam a se olhar de maneira mais ampla", esclarece Fernando Rosa, que espera uma vida longa para o festival.


# O primeiro disco do Little Joy, o novo grupo de Rodrigo Amarante (ex-Los Hermanos), Fabrício Moretti (Strokes) e Binki Shapiro (namorada de Fabrício), deve alcançar o mercado dia 04 de novembro, pelo lendário selo britânico Rough Trade (Belle & Sebastian, Libertines, Strokes, Jarvis Cocker, Arcade Fire, etc...). Seis canções já escaparam para a web, e se Brand New Start é, fácil fácil, uma das melhores músicas do ano (carregada de uma adorável ingenuidade medida, que vai te fazer assobiar o dia inteiro, sem perceber), The Next Time Around ganha pela simplicidade melódica comovente e quase minimal, uma daquelas pop songs perfeitas para dias nublados a dois.


Até gostei do disco solo do Marcelo Camelo, mas o Little Joy conseguiu me deixar mais curioso, o que não é lá nenhuma novidade, já que sempre preferi as canções do Amarante às do Camelo, no Los Hermanos. Pelo jeito as coisas mudam mas continuam nos mesmos lugares.




# Depois de abandonar os metais em brasa e de fechar sua auto-intitulada trilogia da transformação – Maquinarama (2000), Cosmotron (2003) e Carrossel (2006) –, o Skank volta à tona com Estandarte, onde se reconecta com lembranças de seu próprio passado, reprocessada sob a ótica atual do grupo, que filtra tudo num tecido psicodélico sessentista, experimentando timbres e texturas eletrônicas para seu onirismo pop, bem temperado por guitarras agridoces e lirismo aguçado.


Aprendi a gostar dos três últimos títulos dos mineiros, e hoje acho Cosmotron um dos grandes álbuns do pop nacional dessa primeira década do novo século. Estandarte ainda está se acomodando nos meus ouvidos, mas a julgar por essas primeiras ouvidas, posso dizer que vai ser fácil gostar de mais essa aposta de Samuel Rosa e cia. Mais tarde voltamos a esse assunto.




PROMOÇÕES: Brutal Fest X Release Alternativo

* 1 - No próximo dia 24 acontece lá no palco do Martim Cererê a quarta edição do festival Release Alternativo, promovido pela Fósforo Cultural e que prioriza a novíssima produção roqueira local. Serão 14 bandas, sendo 12 grupos goianienses, mais Hebe e Os Amargos (PA) e Ophelia and the Tree (MG).

Goiânia Rock News sorteia um ingresso VIP para a festa (com direito a um acompanhante), e se você quer correr o risco de entrar na faixa e ainda convidar aquela sua vizinha (ou vizinho), faça como sempre, deixe anotado ali na caixa de comentários o seu nome, um e-mail válido e me diga, na sua opinião, qual a melhor das bandas novas de Goiânia. O resultado sai no fim da semana, antes da festa começar.


* 2 – A promoção do Brutal Fest, que vai sortear duas entradas para o baile do mal, ainda está de pé. Vai lá nos cometários e deixe nome, e-mail e me diga, na sua opinião, qual a melhor banda do metal nacional. O resultado também sai no fim se semana, e os ganhadores poderão retirar seus ingressos na Hocus Pocus, a lojinha udi-grudi que você tanto ama.


Vai lá, escolha uma das promoções (ou tente a sorte nas duas) e seja feliz. Quanto mais você pedir, mais chances tem de ganhar.


Até a volta...

9 comentários:

MH disse...

Melhor banda do release alternativo vai ser Girlie hell.


Maurílio Henrique R.C

mhrc666@hotmail.com

lucasmateucci disse...

Banda: Hebe e os Amargos

Nome: Lucas Mateucci

Email: lucasmateucci@gmail.com

Mariana disse...

Bandas: com certeza, Grato!

Nome: Mariana Neri G. de Paula Assis

Email: marianahnery@hotmail.com

odilia disse...

Gosto muito do trabalho da
Dom Casamata

Nome: Odilia Batista da Cruz Alves dos Santos

email: odiliacruz@gmail.com

;DDD

LeanDriN disse...

Melhor vai ser Girlie Hell msm :D

Release Alternativo \m/

Leandro Alves Prudente

e-mail: leandro_basket@hotmail.com

LeanDriN disse...

Também acho mto boa a Antes do Fim


Leandro Alves Prudente

e-mail: leandro_basket@hotmail.com

LeanDriN disse...

E quero ver como vai ser Hebe e os Amargos
aiusheauise


Leandro Alves Prudente

e-mail: leandro_basket@hotmail.com

Raphael disse...

Raphael Ramos Silveira
ra_psycho@hotmail.com

Quero ver Hebe e Os Amargos (PA)

~ libertinu disse...

quero ver é qualquer uumaaa
''its a long way to the TOP if you wanna rock'n roll ''

:D yeah
dhmitri@hotmail.com