Analytics:

quinta-feira, setembro 02, 2010

A ordem das árvores não altera o passarinho

.
.
Depois que a Céu lançou Vagarosa, ano passado, não só confirmou o suave superlativo psicodélico anunciado em seu disco de estreia, mas também avançou um passo na tal linha evolutiva da música popular brasileira inventada pelo velho Veloso lá na Tropicália, elevando o padrão de qualidade do já acirrado mercado de novas musas da MPB .


Tulipa Ruiz


Igualmente despreocupada com a tradição (ao mesmo tempo em que abusa de referências tradicionais), a première da cantora e compositora paulista Tulipa Ruiz acrescenta mais uma demão de cores fortes nesse novo painel da MPB de voz feminina, simbolicamente inaugurado pela sua conterrânea de nome celeste.


“Efêmera”, a faixa título, lembra tanto aquela Gal Costa da primeira metade dos anos 70’s (da transição do radicalismo psicodélico do fim dos 60’s, para uma amistosa e ensolarada tropicalidade subequatorial), quanto à provocação aguda daquela Tetê Espíndola que, no início dos 80’s, partilhou a glória underground de Arrigo Barnabé como cantora de apoio da banda Sabor de Veneno.




Já o groove irresistível de “A ordem das árvores não altera o passarinho” dá pistas abstratas dos momentos mais inspirados de Jards Macalé (da época áurea em que foi acompanhado por Lanny Gordin no baixo e Tutty Moreno na bateria), e “Brocal Dourado” flerta com a disco music num suave filtro eletrônico, enquanto “Aqui” realça a voz doce e firme de Tulipa por entre uma cadência delicadamente dançante e “As vezes” manda um recado divertido pro Kid Abelha.

Tudo trabalhado com uma evidente intenção pop, o que confere a unidade que empresta às 11 faixas de “Efêmera” o poder de também forçar mais alguns metros pra frente, nessa tal linha evolutiva.






2 comentários:

Canal ECO disse...

o som dela é mto bom!

Anônimo disse...

Tulipa Ruiz é uma prova de que na atual geração existem pessoas extremamente criativas e com a oportunidade de fazer da música brasileira uma música do mundo, com uma libguagem contemporânea muito divertida e cativante.